segunda-feira, 13 de março de 2017

CONTA DE LUZ – DENÚNCIA

    Pelo noticiário, o governo anuncia novo aumento nas cobranças de energia elétrica onerando a população. Argumenta que haverá a necessidade de utilizar as gerações pelas usinas térmicas, cujo custo de produção energética é mais cara.
    Na verdade, parece culpar a natureza por mais essa carga de despesas.
    Por outro lado, ficamos intrigados com as providências do governo quanto à política de energia elétrica. O que está sendo buscado para o aumento de consumo de energia, que todos sabemos inevitável. O que está sendo buscado na área de geração alternativa de energia?
    Sabemos que a capacidade de gerar energia eólica é equivalente ao que hoje é gerado pelas hidrelétricas. Sabemos de usinas utilizando as marés, que independem de chuvas e de acumulação de águas dos rios. Sabemos que existe um grande potencial energético gerado por energia solar, tanto para aquecimento de água, utilizando painéis solares, como de geração de energia elétrica, utilizando painéis fotovoltaicos.
    O que o governo pode fazer? Simplesmente incentivar.
    No caso de geração de energia por vento, disponibilizar meios de ligar essas usinas à rede de distribuição, por exemplo, além de permitir e incentivar o empresariado e investir nesse negocio, com lucratividade adequada.
    Outro recurso muito utilizado na Europa é a geração por painéis fotovoltaicos, por particulares, vendendo o excesso para as distribuidoras. Cada residência pode se tornar ao mesmo tempo um consumidor e um fornecedor de energia.
    Esse tipo de geração parece, a curto prazo, ser a melhor alternativa, pois traz economia nas etapas de geração e de distribuição, uma vez que evita aumentos nas instalações de fiação e de transformação.
    As energias teriam o sentido de fornecimento equilibrado, ora de um centro para a periferia e ora da periferia para a central.
    A população poderia contar com a possibilidade de ter um investimento para lucrar com a venda de energia, caso ( mesmo que por um período de incentivo) fosse pago uma tarifa maior para a compra do que para o fornecimento pela concessionária. Para tanto, o governo deveria isentar de impostos os equipamentos de geração por células fotovoltaicas.
Infelizmente, o problema da energia parece ter outros objetivos. Ao governo interessa cobrar mais impostos, e por isso nem de longe cogita em isenções para os equipamentos.     Essa ganância em coletar impostos vai contra os interesses da população, seja pagando a energia mais cara, seja tirando-lhe a oportunidade de fazer pequenos investimentos e usufruir da venda de uma mercadoria de primeira necessidade e de consumo obrigatório.
    Afinal, o governo representa o povo ?

Nenhum comentário:

Postar um comentário